Arandu – Lendas Amazônicas

Arandu – Lendas Amazônicas” estreia temporada no dia 7 de abril no CCBB Rio de Janeiro, aproveitando o mês que se comemora o Dia do Índio

 

“Todo dia, era dia de índio”, diz a música de Jorge Benjor.  E retomando esta máxima da canção, há cerca de um ano e meio o diretor e autor carioca Adilson Dias vem mergulhando fundo no universo das lendas amazônicas, onde o índio é o personagem principal. Desta pesquisa idealizou o espetáculo “Arandu – Lendas Amazônicas”, que estreia temporada no dia 7 de abril no CCBB Rio de Janeiro, aproveitando o mês que se comemora o Dia do Índio (19). No palco, uma índia vivida pela atriz macapaense Lucia Morais conta histórias da grande floresta em uma viagem imaginária pela nossa ancestralidade indígena. O projeto acontecerá na sala 26, no 4º andar do CCBB, com entrada gratuita e fica em cartaz até o dia 29 de abril.  “Arandu” é apresentado e patrocinado pelo Banco do Brasil. 
 
Durante 40 minutos os espectadores (adultos e crianças a partir dos 10 anos) assistirão a quatro histórias: “Lenda do dia e da noite”, que fala de uma tribo que vivia em agonia por que não havia noite, só havia dia, “Lenda da vitória régia”, a história da guerreira Naiá, “A Lenda da Fruta Amarela”,  que conta a história de um novo fruto que aparece na floresta, e “A lenda do açaí”, sobre a crise de alimentos que assolava uma tribo indígena. A ideia principal é transpor o público, através de um passeio poético, para as lendas amazônicas, a um Brasil ancestral que traz na narrativa oral o veículo de perpetuação da cultura. De acordo com Adilson Dias, o espetáculo é uma contação de histórias com pitada de dramaturgia, bem lúdico e intimista. “Penso em trazer a plateia para viajar no mundo mágico das lendas amazônicas. Eu espero que o público se sinta como se estivesse na beira de um rio ouvindo histórias, do jeito que Lucia me contou que sua avó fazia quando ela era criança”. 
 
“Arandu” é interpretado pela atriz Macapaense Lucia Morais que se inspirou na própria infância ribeirinha no interior de Macapá para compor a personagem - Lucia ouvia histórias contadas por sua avó na beira do rio quando era criança. “Conheci Lucia pelo Facebook, me apaixonei pelo trabalho dela com contação de histórias e a proliferação da leitura. Começamos a conversar sobre levar aquilo para o teatro e assim foi nascendo o espetáculo nas nossas cabeças”, diz Adilson.
 
No dialeto tupi-guarani, Arandu significa um misto de sabedoria e conhecimento. E foi a curiosidade por informações que levou Adilson a pesquisar sobre as lendas que permeiam a região amazônica. Lendo o livro “A Queda do Céu” de Davi Kopenawa e Bruce Albert, descobriu muito mais sobre a cultura indígena para compor o espetáculo. Um outro fato que o fez penetrar, mesmo que inconscientemente, nesta seara foi que sua mãe, já falecida, era uma índia. “Minha mãe era índia, curandeira e não sabia ler e escrever. Uma figura indígena na aparência e nos hábitos, então todos a chamavam de ‘Dona Índia”, conta. 
 
O projeto abre uma reflexão sobre a importância das tradições orais na formação da cultura brasileira. Há milênios os índios contam histórias (lendas) para explicar sua existência no mundo ou para passar conhecimento e informação. Seja utilizando os fenômenos naturais e a própria natureza como exemplo. Com o passar do tempo as lendas tornaram-se folclore, mas ainda revelam-se um amplo universo de pesquisa e contemplação artística. 
 
Este espetáculo marca a volta de Adilson Dias ao CCBB de uma forma positiva, 25 anos depois. Aquele garoto de rua que ficava pelos arredores da Candelária e passava pelo centro cultural para matar a sede, também aproveitava para respirar cultura. Hoje, aos 37 anos, é um artista reconhecido. “Não sei mensurar o quanto sou grato ao CCBB. Tenho uma história com este lugar e, mais que isso, a responsabilidade de saber a importância do mesmo em minha vida e de milhares de pessoas que por ali passaram. De fato, a cultura muda muita coisa. Foi a cultura que mudou a minha vida”, avalia. 
 
Sobre Adilson Dias 
É diretor de teatro e artista plástico. Estudou teatro na CAL (Casa das Artes de Laranjeiras) e lecionou teatro no projeto SESI Cidadania do Sistema Firjan durante cinco anos. Em seu currículo somam-se cinco montagens teatrais e três exposições de artes visuais. Seu espetáculo de maior sucesso foi “Outra Paixão” destaque na mídia internacional.  
 
Dono de uma linda história de superação, o menino que engraxava sapatos na central do Brasil e andava pela Candelária, entrava no Centro Cultural Banco do Brasil para beber água e ficava apreciando as obras de artes, cresceu! Hoje é uma artista. Adilson Dias viveu parte de sua infância nas ruas do centro do Rio de Janeiro, passando por tudo aquilo que vemos pelos jornais: fome, drogas e violência. Mas encontrou na arte um caminho para mudar de vida.  
 
Ficha Técnica:
Direção e roteiro: Adilson Dias
Com Lucia Morais
 
Arandu – Lendas Amazônicas 
Local: Centro Cultural Banco do Brasil – Sala 26
Temporada:  De 7 a 29 e abril  - sábados e domingos
Horários: 16h 
Entrada Gratuita, senhas distribuídas 1 hora antes na bilheteria
Capacidade: 55 lugares
Classificação etária: 10 anos
Duração: 40 minutos 
Endereço: Rua Primeiro de Março, 66 - Centro - / Rio de Janeiro




ÌTÀN
Exposição fotográfica “ÌTÀN” remonta histórias dos orixás por meio das relações corporais de 33 artistas negros
UP ROCK FESTIVAL
UPTOWN PROMOVE A 2ª EDIÇÃO DO ‘UP ROCK FESTIVAL’ DE 05 A 07 DE ABRIL
Quarteto de Cordas faz apresentação no Jardim da Reitoria da UFF nesta quarta-feira
Concerto traz músicas de Villa-Lobos, Haydn, Piazolla e Freddie Mercury
In Cena - Mostra de Linguagens Cênicas da Zona Oeste
A Mostra In Cena Zona Oeste acontece entre os dias 30 de março e 14 de abril, aos sábados e domingo, com entrada gratuita, na Arena Carioca Abelardo Barbosa Chacrinha.
PUBLICIDADE
RNT - ANUNCIE AQUI
TRANSAMÉRICA 101,3
As quatro direções do céu
Teatro Poeira recebe o premiado espetáculo As Quatro Direções do Céu
Rhupá, a fábula da noiva cadáver
Um noivo prometido para casar está com seu amigo, um jovem rabino, bebendo e conversando sobre seu futuro e começa a ensaiar a liturgia completa do casamento e "casa-se" com uma noiva morta. Porque...
MUSEU LIGHT DA ENERGIA COMEMORA ANIVERSÁRIO COM O ESPETÁCULO QUANTA ENERGIA!
A peça desvenda os mistérios da energia elétrica.
Mulheres e feminismo hoje
Feminismo é tema da edição de março do UFF Debate Brasil
PUBLICIDADE
Educadores Debatem Educação
Nova edição do “Educadores Debatem Educação” acontece nesta quinta no Teatro da UFF
Canto Negro
CANTO NEGRO, novo espetáculo da Companhia Ensaio Aberto no Armazém da Utopia, Cais do Porto do Rio
PUBLICIDADE
RNT - ANUNCIE AQUI
TRANSAMÉRICA 101,3
NEWSLETTER e Notificações
Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão conteúdo exclusivo do teatro carioca, descontos e promoções
Nome
E-mail
 
PUBLICIDADE
GOOGLE+
FACEBOOK
PUBLICIDADE
MAIS ACESSADOS