Rio No TeatroRio No TeatroRio No Teatro

O problemão da Banda Infinita

Espetáculo explora o universo da matemática e é pensado especialmente para crianças de seis a dez anos.

 

A matemática precisa ser vivida. Por que não vivê-la em uma peça teatral para crianças? A partir de 15 de agosto, o Museu da Vida estreia o espetáculo “O problemão da Banda Infinita”, aventura que ficará em cartaz na Tenda da Ciência e é pensada, especialmente, para o público de seis a dez anos, do primeiro segmento do ensino fundamental. Jovens e adultos também são bem-vindos no espetáculo! A temporada será realizada às terças, quartas e quintas, às 10h30 e 13h30, e em alguns sábados, que serão divulgados em breve.
 
A trama começa quando os cinco amigos integrantes da Banda Infinita - Pati, Tales, Artur, Pita e Alan - estão prestes a se apresentar num show. A empolgação toma conta do grupo, mas algo acontece com um dos instrumentos: algumas partes da corneta Max-Mega-Super-Ultra-Sonora somem. Para recuperá-las, eles terão que fazer uso da matemática nossa de cada dia e embarcar, literalmente, numa nave, desbravando mundos e esbarrando com personagens curiosos.
 
A peça estreará em um ano especial, por se tratar do Biênio da Matemática no Brasil (2017-2018). A atriz e diretora Letícia Guimarães, idealizadora do projeto, conta que o processo de criação envolveu muita pesquisa, com leitura de livros didáticos, de literatura infantil e análise de desenhos feitos por crianças. “Um dos mediadores do Museu da Vida, o pedagogo Fredson Araújo, fez uma grande pesquisa com professores de escolas públicas da zona Oeste do Rio. A gente recebeu desenhos de mais de 120 alunos desses colégios, que nos mostraram como é a visão deles em relação à matemática”, diz.
 
Os desenhos não pintavam a matemática como algo negativo, muito pelo contrário. “Eles têm uma visão lúdica, prática, muito relacionada aos jogos e às brincadeiras, ao uso de aparelhos móveis, ao fato de pegar um ônibus e fazer o troco, ver as horas e saber quantos anos alguém está fazendo, por exemplo”, complementa Letícia.
 
Os nomes dos personagens são inspirados em matemáticos da vida real: Hipátia de Alexandria, do Egito, Tales de Mileto e Pitágoras, da Grécia Antiga, Alan Turing, do Reino Unido, e Artur Ávila, jovem matemático carioca e um dos ganhadores da medalha Fields de 2014, o maior prêmio da área.
 
O educador e físico do Museu da Vida Paulo Colonese, um dos colaboradores da peça, observa que a matemática faz parte da vida de todos desde o nascimento. “As ideias que a matemática estuda permeiam todo o processo de descoberta do mundo. Por exemplo, quando um bebê começa a perceber o espaço ao redor, ele começa a assimilar a geometria ali presente, bem como outros itens, como tamanhos e distâncias. Todos são conceitos fundamentais para a nossa vida”, pontua.
 
Foi pensando nessas ideias que o dramaturgo Rafael Souza-Ribeiro começou a elaborar o texto da trama. “Deixei a imaginação correr solta e me predispus a escrever uma grande aventura, repleta de personagens e lugares fantásticos, reviravoltas, descobertas, desafios e tudo com muito humor. O humor nos aproxima, nos humaniza”, destaca Rafael. O maior desafio, segundo ele, é o de escrever para público infantil: “Não se pode jamais subestimar a inteligência e a sensibilidade das crianças e é preciso ter em mente a contribuição à formação cultural delas. Eu me reconectei com conteúdos da época da escola e o mais encantador foi redescobrir que a matemática está aqui presente o tempo todo”, afirma.
 
Outro destaque da obra são as músicas, inspiradas em ritmos como o carimbó do Norte e o coco de roda do Nordeste. O diretor musical Renato Frazão diz que a ideia é que a diversidade musical brasileira esteja representada o máximo possível. “Pesquisei, ouvi muitas músicas e li o texto para captar o que podia gerar ideias para as canções. Os trabalhos teatrais infantis costumam explorar pouco essa diversidade cultural do país. O contato das crianças com esse universo rico, mesmo que seja a primeira vez e de forma rápida, é muito importante”, avalia.
 
Ritmo, humor e aventura, elementos que, para Letícia, estão reunidos sob um mesmo objetivo. “Esperamos que a peça possa levantar um debate sobre esse preconceito que se constrói ao longo da vida em relação à matemática. Além disso, é um estímulo à cidadania, porque essa área não é só para gênios. Para ser gênio, tem que ter oportunidade”, conclui.
 
Ficha Técnica:
Texto: Rafael Souza-Ribeiro
Direção: Leticia Guimarães
Elenco: Jefferson Almeida, Leticia Guimarães, Pablo Aguilar, Roberto Rodrigues, Sara Hana e Sergio Kauffmann
Direção musical e trilha sonora: Renato Frazão
Cenário: Mina Quental
Figurino: Carla Ferraz
Iluminação: Livs Ataíde
Cenotécnico: André Salles
Assistente de cenografia: Mariana Castro
Modelista e costureira: Maria Amélia da Silva
Bonecos: Thaísa Violante
Voz em off da Onça Pinima: Hugo Germano
Pesquisa e mediação: Fredson Araújo
Consultor: Paulo Colonese
Consultor convidado: Vinícius Borovoy
Colaboração e parceria: Equipe Museu da VidaDireção de Produção: Geraldo Casadei
Apoio: Art Light, Cia Teatral Milongas e Núcleo Artístico Éder Montalvão (NAEM)
 
Estreia: 15 de agosto, às 10h30 e 13h30
Temporada: terças, quartas e quintas, às 10h30 e 13h30
Local: Tenda da Ciência do Museu da Vida – av. Brasil, nº 4.365, dentro do campus da Fiocruz localizado no bairro de Manguinhos
Entrada Gratuita




Vala Comum
Espetáculo teatral do grupo “Impulso Coletivo” inova ao ser montado numa casa no bairro da Tijuca, onde o público é convidado a embarcar numa experiência provocadora
Coleções Líquidas
Fruto de um projeto de pesquisa sobre a formação de gênero na sociedade, a peça Coleções Líquidas reestreia na Casa Rio
Nuvem
Floriano Romano apresenta a instalação 'NUVEM' no Espaço Furnas Cultural abertura 16/8 - visitação de 17/8 a 14/10
Por elas
A violência contra a mulher é o tema da peça POR ELAS, em cartaz de quarta à sábado, no Museu da Justiça - Centro Cultural do Poder Judiciário (CCMJ).
PUBLICIDADE
TRANSAMÉRICA 101,3
RNT - ANUNCIE AQUI
Noite da Comédia Improvisada estreia no Teatro Leblon – Sala Marilia Pêra
Peça é dividida estruturalmente em jogos de improvisação teatral comandados pela plateia
Eu sou eu Porque meu Cachorrinho me Conhece
“Eu sou eu Porque meu Cachorrinho me Conhece” faz temporada com entrada franca, em horário alternativo, no Glauce Rocha
Arandu – Lendas Amazônicas
Arandu – Lendas Amazônicas” estreia temporada no dia 7 de abril no CCBB Rio de Janeiro, aproveitando o mês que se comemora o Dia do Índio
Rolé Carioca 2018
ROLÉ CARIOCA 2018 - Projeto lança agenda 2018 com evento no CRAB no dia 31 de março de 2018
PUBLICIDADE
Tempestuosa Depressagem
Tempestuosa Depressagem: Performance retrata a depressão em negros, principalmente em mulheres, no Centro Coreográfico
Bate-papo com o elenco do Grande Sertão: Veredas
Para celebrar e retribuir a acolhida do público carioca o elenco e a diretora realizam dois bate-papos sobre a obra de Guimarães Rosa, nos dias 24 e 25 de março, às 16h, na estrutura que recebe a e...
PUBLICIDADE
TRANSAMÉRICA 101,3
RNT - ANUNCIE AQUI
NEWSLETTER e Notificações
Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão conteúdo exclusivo do teatro carioca, descontos e promoções
Nome
E-mail
 
PUBLICIDADE
GOOGLE+
FACEBOOK
PUBLICIDADE
MAIS ACESSADOS