Rio No TeatroRio No Teatro

Vala Comum

Espetáculo teatral do grupo “Impulso Coletivo” inova ao ser montado numa casa no bairro da Tijuca, onde o público é convidado a embarcar numa experiência provocadora

 

Diz um velho ditado que cabe à arte o poder de incomodar, sair do lugar comum e modificar de alguma maneira a forma como o receptor encara a realidade. No que depender do espetáculo “Vala Comum”, montagem inaugural do grupo teatral “Impulso Coletivo” que estreia no dia 3 de novembro, o desafio está feito ao espectador. Sob a direção de Ivan Sugahara, com dramaturgia assinada por Carolina Lavigne, sob a orientação de Pedro Kosovski, e idealização de Thiago Teófilo, os atores ousam nessa peça, cujo objetivo é o de promover uma inquietação.
 
A começar pela ideia da montagem: o cenário é uma casa, numa rua bucólica do bairro carioca da Tijuca. O público acompanha a história, passando por diversos cômodos do ambiente. É uma experiência, sobretudo, provocadora. O preço do ingresso também é um desafio: cabe a quem assistir escolher o valor com que pode contribuir para a montagem. Há um limite na plateia que circula pela casa assistindo a encenação. Cabem, no máximo, 15 pessoas por sessão.
 
Através do processo de experimentações e ensaios, encontrou-se a principal vertente do espetáculo: a CARNE, no sentido da massificação e industrialização das vidas, que não passam de mercadoria. O público é conduzido para uma espécie de museu da carne, onde, de forma itinerante, atravessa as etapas destrinchadas do processo onde o boi vira um alimento a ser comido e digerido.
 
O estado de violência e opressão do dia a dia nos transforma nesses bois, que já nascem destinados a morrer, com uma vida regulada e comprimida dentro de padrões, em um processo de poder onde o que está fora dessa cadeia de produção são as vidas, que pouco importam.
 
“Todos nós, em diferentes medidas, exercemos e sofremos opressão. Nesse sentido, gostaríamos que o público se identificasse tanto com os personagens oprimidos quanto com os opressores, uma vez que ambos compõem a teia social e a própria constituição humana. O livro ´Necropolítica´, de Achille Mbembe, foi determinante na concepção do espetáculo. E o trabalho do Teatro da Vertigem foi uma grande referência estética e de linguagem”, explica o diretor Ivan Sugahara.
 
O processo de fertilização da vaca ao abate do bezerro; o cotidiano violento das comunidades, marcado por tiroteios intermináveis; propagandas de TV, cujo objetivo é a lavagem cerebral; a vida apertada nos currais e nos transportes coletivos públicos; o ritual de preparação para o churrasco do fim de semana: tudo isso é vivenciado por quem for assistir à montagem de “Vala Comum”. Até mesmo os bairros cariocas são comparados aos cortes da carne bovina.
 
“A peça tem um frescor e uma vivacidade potentes, que a distingue das que estamos acostumados a ver nos palcos italianos da cidade. O fato de ser itinerante, numa casa abandonada na Tijuca, já a coloca num outro lugar, tanto para quem faz, quanto para quem assiste. Mas o maior diferencial é a relação estreita entre os atores e o material cênico. Todas as cenas foram criadas pelo grupo durante o processo, a partir de um ponto de vista bem particular de cada um. Muito do que tem na encenação surgiu de recortes de nossas vidas e isso nos dá total propriedade sobre o que estamos falando. Além disso, estamos todos desejosos de apresentar nosso primeiro trabalho profissional enquanto grupo. O maior desafio, pra mim, é alcançar a cada apresentação a energia necessária para falar de um tema tão forte como a opressão e voltar pra casa bem comigo mesmo” explica Thiago Teófilo, que, além de atuar, assina a idealização do projeto.
 
Sobre o grupo Impulso Coletivo
O Impulso Coletivo é um grupo teatral composto por atores formados em diferentes períodos do Bacharelado em Artes Cênicas da Casa das Artes de Laranjeiras, a CAL. O coletivo se uniu por um desejo latente em comum: continuar a pesquisa teatral recebida na formação e aprofundar a consciência sociopolítica, para criar um movimento que reverbere na cena teatral. Para isso foram convidados para conduzir o primeiro trabalho do grupo o diretor Ivan Sugahara e o dramaturgo Pedro Kosovski, que embarcaram junto com esses jovens atores na empreitada de construir o espetáculo “Vala Comum”.
 
Ficha Técnica:
Direção: Ivan Sugahara
Elenco: Impulso Coletivo - Gaia Garcia, Maria Cândida Portugal, Mariana Pompeu, Mariana Votto, Nilson Gómez, Paloma Ripper, Thiago Teófilo, Vinícius Fragoso e Vinícius Terres 
Dramaturgia: Carolina Lavigne
Orientação dramatúrgica: Pedro Kosovski 
Cenário: Carolina Sugahara
Iluminação: Alessandro Boschini
Figurino: Joana Lima Silva
Trilha sonora original: Felipe Ariani
Direção de movimento: Caroline Monlleo
Preparação vocal: Ricardo Góes
Programação visual: Luciano Cian
Fotografia: Dalton Valerio e Luke Garcia
Assessoria de Imprensa: MNiemeyer
Diretora assistente: Beatriz Bertu
Assistência de direção: Glauco Déris
Assistência de produção: Glauco Déris e Sarah Marques 
Direção de produção: Renata Campos
Idealização: Thiago Teófilo
Realização: Impulso Coletivo
 
Serviço:
De 03 de novembro a 23 de dezembro
De quinta a segunda
Às 19h30
Casa da Tijuca
Valor: Contribuição consciente
Classificação indicativa:16 anos
Duração: 80 minutos
Lotação: 15 pessoas




O problemão da Banda Infinita
Espetáculo explora o universo da matemática e é pensado especialmente para crianças de seis a dez anos.
Coleções Líquidas
Fruto de um projeto de pesquisa sobre a formação de gênero na sociedade, a peça Coleções Líquidas reestreia na Casa Rio
Nuvem
Floriano Romano apresenta a instalação 'NUVEM' no Espaço Furnas Cultural abertura 16/8 - visitação de 17/8 a 14/10
Por elas
A violência contra a mulher é o tema da peça POR ELAS, em cartaz de quarta à sábado, no Museu da Justiça - Centro Cultural do Poder Judiciário (CCMJ).
PUBLICIDADE
RNT - ANUNCIE AQUI
TRANSAMÉRICA 101,3
Noite da Comédia Improvisada estreia no Teatro Leblon – Sala Marilia Pêra
Peça é dividida estruturalmente em jogos de improvisação teatral comandados pela plateia
Eu sou eu Porque meu Cachorrinho me Conhece
“Eu sou eu Porque meu Cachorrinho me Conhece” faz temporada com entrada franca, em horário alternativo, no Glauce Rocha
Arandu – Lendas Amazônicas
Arandu – Lendas Amazônicas” estreia temporada no dia 7 de abril no CCBB Rio de Janeiro, aproveitando o mês que se comemora o Dia do Índio
Rolé Carioca 2018
ROLÉ CARIOCA 2018 - Projeto lança agenda 2018 com evento no CRAB no dia 31 de março de 2018
PUBLICIDADE
Tempestuosa Depressagem
Tempestuosa Depressagem: Performance retrata a depressão em negros, principalmente em mulheres, no Centro Coreográfico
Bate-papo com o elenco do Grande Sertão: Veredas
Para celebrar e retribuir a acolhida do público carioca o elenco e a diretora realizam dois bate-papos sobre a obra de Guimarães Rosa, nos dias 24 e 25 de março, às 16h, na estrutura que recebe a e...
PUBLICIDADE
RNT - ANUNCIE AQUI
TRANSAMÉRICA 101,3
NEWSLETTER e Notificações
Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão conteúdo exclusivo do teatro carioca, descontos e promoções
Nome
E-mail
 
PUBLICIDADE
GOOGLE+
FACEBOOK
PUBLICIDADE
MAIS ACESSADOS