Tempestuosa Depressagem

Tempestuosa Depressagem: Performance retrata a depressão em negros, principalmente em mulheres, no Centro Coreográfico

 

O Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro apresenta nos dias 6 e 7 de abril, às 19h30, a Tempestuosa Depressagem. A  performance artística retrata as nuances e desdobramentos da síndrome do pânico e da depressão em mulheres negras com foco na dificuldade que elas têm de assumir e admitir as subjetividades da saúde mental.
 
A depressão, o mal do século XXI, atinge todas as faixas populacionais, porém por conta de um racismo histórico e estrutural, estas subjetividades humanas foram negadas à população negra. Na performance, para além das próprias experiências corporais e psicológicas de quando foi acometida pela síndrome do pânico, a curadora e idealizadora do projeto, Flavia Souza, trará através de uma dramaturgia verbal e corporal, relatos próprios e de outras mulheres negras com experiências semelhantes. 
 
A proposta é a de trazer à tona essa discussão e, ao mesmo tempo, poder humanizar esses sofrimentos a fim de que a problemática seja percebida por todos e como um alerta para aqueles que sofrem nesse momento com a doença para que procurem ajuda.
 
"Tempestuosa Depressagem é uma performance que dialoga com as vivências subjetivas do ser humano. Estas sensações são de difícil compreensão para a maioria da população. E nós, da população negra, temos a dificuldade de assumir e admitir quando somos acometidos psicologicamente. Desde a época do navio negreiro, a população negra já sofria e se suicidava por depressão, na ocasião chamada de banzo, e tida como um mal que só acometia aos escravizados. E assim nada foi feito para combater a patologia da relação mente e alma. E os pretos foram como sempre deixados de lado, e sem o condicionamento para reconhecer o problema, eles tiveram potencializados seus distúrbios, pois o direito à humanidade foi negado.
 
No que diz respeito às mulheres negras, a sociedade brasileira se condicionou a uma cobrança excessiva pregando que esta é uma fortaleza ambulante e não sente nada conseguindo lidar bem com tudo. Segundo Djamila Ribeiro, por conta das violências pelas quais as mulheres negras passam, criou-se o mito da mulher negra forte, guerreira, que enfrenta tudo. Mulheres negras precisam ser fortes porque o Estado é omisso e desumano porque também não reconhece nelas suas fragilidades que são próprias da condição humana. Sabemos que esta é uma construção racista e que traz uma ideia de que somos mais objeto do que humanos. Percebi que ao lidar com a saúde mental o problema é invisibilizado e silenciado entre a população negra. O autocuidado é praticamente inexistente e isto é herança que o banzo nos deixou", relata a idealizadora do projeto, Flavia Souza.
 
Flavia Souza criou em 2017 MOVIMENCURE (movimento que cura). O Movimento tem como proposta debruçar e pesquisar  sobre essa patologia na qual a própria foi vítima e a partir das manifestações culturais, circulares e acolhedoras, onde movimenta a energia que cada ser carrega em si, encontrei uma possibilidade de cura, trazendo dessa maneira uma reflexão através da ancestralidade: 
 
"Através de pesquisas e oficinas, montei um pequeno fragmento solo, com participações e intervenções de vídeos com relatos sobre saúde mental, psíquica, sobre a construção de um ser forte, sobre a dificuldade que pessoas, principalmente, negras têm de admitir que esteja sofrendo e precisando de cuidados e sobre como, onde e quando podemos e devemos buscar ajuda. É sabido que o corpo fala e dialoga sobre tudo, sobre cura, angústia e ancestralidade". 
 
O projeto Tempestuosa Depressagem  foi contemplado no I PRÊMIO CULTURA + DIVERSIDADE da Secretaria Municipal de Cultura. 
 
Ficha Técnica:
Texto e montagem: Flavia Souza| Direção: Tatiana Tiburcio | Coreografia: Flavia Souza | Roteiro: Flavia Souza e Tatiana Tiburcio|  Designer Gráfico: Gá | Produção: Jaqueline Calazans | Assistentes de produção: Carol Netto, Carla Ramos e Jaqueline Calanz| Coordenação Geral: Flavia Souza | Luz: Zindi Gonzaga | Operador de luz: Wagner Lucio | Figurino: Nina Monteiro (Godê Pavão Ateliê), Flavia Souza e Tatiana Tiburcio | Colaboração: Gustavo Melo, Kelly Regina e Rosane Assis | Participação: Verônica Bonfim, Maria Souto, Daniella Gomes, DJ Bieta | Suporte: Marcia Pereira, Ivan Karu e Fabiana Souza | Assessoria de imprensa: RoMa in Press | Divulgação: Ébano Produções Artísticas | Fotografia Mil Santos | Equipe Cinemagic
 
Intervenção do vídeo:
Roteiro e Direção: Flavia Souza | Direção de Fotografia: Natália Rodrigues | Luz e Som: Nathalia Sarro | Participantes do vídeo: Rosane de Assis Barbosa (Mestra em Ciências Sociais, Psicóloga, Professora e Pesquisadora dos Estudos do Corpo e Cultura Popular Brasileira), Rosane de Assis, Xandy Carvalho (Professor da UFRJ, Coord. PADE/UFRJ, Artista popular), Profª Vanda Ferreira (Pedagoga, prestadora de serviços a instituições públicas e privadas nas áreas de Responsabilidade Social, Ouvidoria e Direitos Humanos, com abordagem para as questões da equidade de gênero e raça no mundo do trabalho), Marta Oliveira (Psicóloga/Psicanalista), Gessica Justino (Produtora, bailarina e modelo), Ruth Pinheiro, Edmeire Exaltação e Rachel Nascimento (Professora, Multiplicadora de Teatro do Oprimido, Mestranda em Relações Étnico- Raciais/CEFET
 
Tempestuosa Depressagem
Teatro Angel Vianna: Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro: Rua José Higino, 115. Tijuca.
Datas: 6 e 7/4, sexta e sábado, às 19h30.
Evento: gratuito
Classificação: livre




Teatro Oi Casa Grande terá apresentações do sucesso Malala, a menina que queria ir para a escola
Primeira adaptação teatral do livro-reportagem infanto-juvenil da jornalista Adriana Carranca. Vencedora do Prêmio FNLIJ nas categorias Escritora Revelação e Livro Informativo. A obra também é reco...
Vala Comum
Espetáculo teatral do grupo “Impulso Coletivo” inova ao ser montado numa casa no bairro da Tijuca, onde o público é convidado a embarcar numa experiência provocadora
O problemão da Banda Infinita
Espetáculo explora o universo da matemática e é pensado especialmente para crianças de seis a dez anos.
Coleções Líquidas
Fruto de um projeto de pesquisa sobre a formação de gênero na sociedade, a peça Coleções Líquidas reestreia na Casa Rio
PUBLICIDADE
RNT - ANUNCIE AQUI
TRANSAMÉRICA 101,3
Nuvem
Floriano Romano apresenta a instalação 'NUVEM' no Espaço Furnas Cultural abertura 16/8 - visitação de 17/8 a 14/10
Por elas
A violência contra a mulher é o tema da peça POR ELAS, em cartaz de quarta à sábado, no Museu da Justiça - Centro Cultural do Poder Judiciário (CCMJ).
Noite da Comédia Improvisada estreia no Teatro Leblon – Sala Marilia Pêra
Peça é dividida estruturalmente em jogos de improvisação teatral comandados pela plateia
Eu sou eu Porque meu Cachorrinho me Conhece
“Eu sou eu Porque meu Cachorrinho me Conhece” faz temporada com entrada franca, em horário alternativo, no Glauce Rocha
PUBLICIDADE
Arandu – Lendas Amazônicas
Arandu – Lendas Amazônicas” estreia temporada no dia 7 de abril no CCBB Rio de Janeiro, aproveitando o mês que se comemora o Dia do Índio
Rolé Carioca 2018
ROLÉ CARIOCA 2018 - Projeto lança agenda 2018 com evento no CRAB no dia 31 de março de 2018
PUBLICIDADE
RNT - ANUNCIE AQUI
TRANSAMÉRICA 101,3
NEWSLETTER e Notificações
Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão conteúdo exclusivo do teatro carioca, descontos e promoções
Nome
E-mail
 
PUBLICIDADE
GOOGLE+
FACEBOOK
PUBLICIDADE
MAIS ACESSADOS