LiveZilla Live Chat Software

CRÍTICA | O Cara

Excelente: Paulo Mathias Jr. é O Cara

 

Paulo Mathias Jr. está ao lado de Dani Barros no pódio das melhores interpretações do ano em monólogo, ela em um drama-documentário e ele em uma comédia engraçadíssima, de que aqui se tratará. “O Cara”, que tem texto e direção de Miguel Thiré, leva ao palco apenas um ator, interpretando vários personagens na narração da vida do publicitário Getúlio da Silva Batista, um dos homens mais ricos e mais jovens do planeta.
 
É verdade que apenas Paulo Mathias Jr. daria conta de providenciar ao público bom divertimento. O ator apresenta movimentos mínimos tão bem desenhados quanto os mais expansivos, movimenta-se com presteza e complexidade no palco, além de mostrar seus personagens com marcas muito específicas na expressão facial e corporal. No entanto, em “O Cara”, é desleixo não prestar atenção nos outros detalhes. A iluminação de Felipe Lourenço atua no sentido de auxiliar o espectador a identificar as diversas situações, mas o ritmo perfeito com que os spots se apagam e se acendem dá movimento, graça e beleza ao conjunto de forma ímpar. O figurino de Elisa Faulhaber une a história de um ponto a outro: aos 27 anos, Getúlio Batista ganhava o terceiro prêmio de Publicitário do Ano e, aos 30, era um dos homens mais poderosos do mundo. Jovialidade e despojamento, assim, estão próximos de classe e requinte nas roupas que o personagem veste. Além de tudo, a trilha sonora é um dos elementos mais especiais da produção. Em “O Cara”, a música vem do jeito como Paulo Mathias Jr. articula as palavras, dá forma para as frases, compõe as vozes e, a partir delas, dá a ver os personagens. A supervisão artística de Elena Constantinovna, responsável pela fala cênica, resulta, desse jeito, em um trabalho singular de excelente valor estético. Miguel Thiré, que assina a união de todas essas qualidades em um todo único e diegético, finca um espetáculo de altíssima qualidade na programação teatral carioca a guisa da simplicidade visual de sua produção.
 
Quando a história começa, Getúlio já é um profissional de sucesso no mercado publicitário. No texto de Thiré, a força que leva o herói a ir adiante é a ambição. Getúlio quer estrelar na capa da Revista Forbes como um homem poderoso em todos os cantos do mundo. Com bons desafios vencidos na narrativa nas primeiras cenas, além do fato de que há apenas um ator sem cenário para a construção cênica disso tudo, a narrativa torna-se mais superficial na medida em que a história se aproxima do seu fim. Depois dos sessenta minutos, quando Getúlio é entrevistado em um programa de televisão, um dos melhores momentos da peça, “O Cara” vai se tornando uma história previsível, enlatada, negativamente moralista. A curva descendente do texto, contado além dos noventa minutos, faz chamar a atenção ainda mais para a beleza dos trabalhos de Faulhaber, de Lourenço, de Constantinovna, de Thiré e, sobretudo, de Paulo Mathias Jr. que sustenta com galhardia a narrativa até o fim. O homem mais rico do planeta descobre a simplicidade enquanto o teatro, aqui, se reencontra com o que de seu há de mais puro: o palco, o ator e o público.
 

 

* Independente das críticas profissionais, sugerimos que assista aos espetáculos e faça suas próprias críticas.
* Acesse a página do espetáculo e veja também a opinião do público geral nos comentários.

 

A Celebração do Homem
A celebração do homem   Tem toda a razão aquele que diz que “A descoberta das Américas” é um dos melhores espetáculos ...
Pescadores de Almas: Arte da Alma
Pescadores de Almas é inspirado na biografia da médium Walkiria Kaminski. O monólogo relata o contato mediúnico e a experiência do suic&iacut...
YANK | Hugo Bonemer interpreta um correspondente de guerra em musical que trata da homoafetividade na 2ª Guerra Mundial.
Depois de interpretar o personagem Augusto, na primeira fase da novela “A Lei do Amor”, da Rede Globo, Hugo Bonemer está nos preparativos finais para viver o personagem Stu, u...
Clássico Romeu e Julieta de volta à programação teatral carioca em ótima montagem
“um nome para romeu e julieta” é a versão adaptada e dirigida por Dani Lossant para o original de William Shakespeare. A montagem, que tem Andrêas Gatto, Daniel C...
PUBLICIDADE
TRANSAMÉRICA 101,3
Para ver muitas vezes e aplaudir sempre!
“Estamira – Beira do Mundo”, que foi a sensação do teatro carioca entre 2011 e 2012, está de novo em cartaz para a beleza da programação da c...
Não Vamos Pagar - Comédia imperdível!
Comédia imperdível! “Não vamos pagar” é uma deliciosa comédia que está em cartaz no Teatro do Sesi, no centro do Rio, até 14 ...
O detalhe que constrói o sucesso
Se o teatro pudesse ser comparado a uma casa, o lugar onde Guilherme Leme e Jô Bilac moram seriam aquelas casas cheias de bibelôs e toalhas de crochet, pratos pendurados na parede, p...
Resenha de Coisas do Brechó por Giulia Ladislau
Uma viagem às décadas de 60 e 70 com música, dança e humor. Assim é “Coisas do Brechó”, idealizado e estrelado por Fátima Bernardes L...
PUBLICIDADE
Resenha Queimando o Filme por Giulia Ladislau
Nunca tinha ouvido falar do Fabio Rabin, mas se é stand-up a gente quer ir pra rir. Dito e feito! Se você não conhece o tipo de espetáculo, é bem simples: um hu...
Brimas - Ótimo início de temporada teatral carioca
“Brimas” dá a 2016 um ótimo início de temporada teatral carioca   “Brimas” celebra a amizade que atravessa as diferenças e ajuda ...
PUBLICIDADE
TRANSAMÉRICA 101,3
NEWSLETTER e Notificações
Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão conteúdo exclusivo do teatro carioca, descontos e promoções
Nome
E-mail
 
PUBLICIDADE
GOOGLE+
FACEBOOK
PUBLICIDADE