Para ver muitas vezes e aplaudir sempre!

 

“Estamira – Beira do Mundo”, que foi a sensação do teatro carioca entre 2011 e 2012, está de novo em cartaz para a beleza da programação da cidade. A montagem foi inspirada no filme documentário “Estamira”, de 2005, dirigido por Marcos Prado e vencedor de mais de trinta prêmios nacionais e internacionais. Interpretado por Dani Barros, o monólogo foi ganhador dos prêmios Questão de Crítica, Shell, APTR e APCA na categoria “Melhor Atriz” entre várias outras importantes indicações. Depois de rodar o país e de ter se apresentado em Portugal e na Espanha, esse excelente espetáculo pode ser visto no Teatro Poeira, em Botafogo, até o dia 29 de maio. A direção e a dramaturgia são de Beatriz Sayad. É para ver muitas vezes e aplaudir sempre.

 
Elogiadíssimo desde sempre
A versão para teatro é diferente do filme. No segundo, a câmera acompanha a catadora de lixo Estamira Gomes de Souza (1941-2011), que sofria de problemas mentais, e o seu universo: o aterro Jardim Gramacho, na Baixada Fluminense; sua casa; sua família. Na peça, a personagem título divide espaço com mais duas personagens: a própria Dani Barros e sua mãe, Maria Helena, falecida em 2003. O jogo entre essas três figuras - nem uma delas fictícia - marca a proximidade do espetáculo em relação ao público.
 
O discurso caótico de Estamira, no filme e na peça, ganhou, na edição cinematográfica e na dramaturgia, uma lógica avassaladora. Suas reflexões sobre Deus, pecado, humanidade, ciência e sobre sociedade têm força o bastante para atravessar o espectador para muito além da experiência estética. No palco, o ponto de vista da intérprete e a relação que esse oferece entre sua mãe e Estamira são combustíveis que incendeiam todos os lugares em que o teatro é menos realista que o cinema. Além disso, ele relembra o espectador da vocação da cena de obrigar o ser humano a ficar em frente a outro de sua espécie.
 
Os movimentos da dramaturgia e principalmente o modo como a direção de Beatriz Sayad propõe, apresenta e defende o jogo entre as personagens e o público são vibrantes. O espetáculo vai do lúdico e do poético ao trágico e ao reflexivo. A peça diverte e emociona, mas também convoca para o pensamento e propõe um caminho, retrata, motiva e critica. “Estamira – Beira do Mundo”, elogiadíssimo desde sempre, é um marco na história contemporânea do teatro brasileiro pelo conjunto de seus méritos, que vão da sua proposta à sua realização.
 
Magnífico trabalho de Dani Barros
A interpretação de Dani Barros é fulgurante. Ela está atenta à entrada do público, suas ações, ao modo como se envolve. Não se distancia de si em favor de sua personagem e nem da personagem em favor de si, fazendo explodir o teatro enquanto preenche a cena de níveis diferentes de fruição. A atriz, cuja preparação corporal é assinada por Georgette Fadel e vocal por Luciana Oliveira e Marina Considera, faz dos menores detalhes os pontos de maior força. E dos grandes momentos de enorme delicadeza. Eis um magnífico trabalho sob todos os aspectos.
 
O figurino de Juliana Nicolay sobrepõe uma capa de sacola plástica por cima de uma camiseta cheia de objetos. A peça mantém a curiosidade, prende a atenção e enriquece o trabalho já tão rico. O cenário de Aurora dos Campos situa a personagem em um banco cujo estofamento é em tom terra. Em volta, centenas de sacolas plásticas de várias cores preenchem a cena. Sua leveza, sons naturais e texturas ampliam o universo de possibilidades significativas, oferecendo uma belíssima cena final. A iluminação de Tomás Ribas é delicada, eficiente e pontual.
 
A direção musical de Fabiano Krieger e de Lucas Marcier age no mesmo sentido, auxiliando na convergência, mas oferecendo outros pontos de ancoragem para possíveis níveis mais aprofundados de leitura. Um dos grandes momentos da peça é quando a personagem ouve uma canção, um fado brilhantemente interpretado por Soraya Ravenle. Cheio de poesia, de sensibilidade e de força, o trecho se destaca positivamente.
 
Viva!!
“Estamira – Beira do Mundo” serve, na programação teatral carioca, como base para a reflexão sobre o homem. “A minha missão, além d’eu ser Estamira, é revelar.” – diz a personagem. Cabe a nós, deixar que essa missão se cumpra, aplaudindo várias vezes. Viva Dani Barros!

 

Por Rodrigo Monteiro 

Peça Estamira - Beira do Mundo

 

* Independente das críticas profissionais, sugerimos que assista aos espetáculos e faça suas próprias críticas.
* Acesse a e veja também a opinião do público geral nos comentários.

 

 

 

Quem casa quer casa ou quer sexo?
Essa e muitas outras perguntas são respondidas por Carlos Simões e Drika Matos na peça "Os homens querem casar e as mulheres querem sexo", ou pelo menos eles tenta...
3 Vezes Clara
O Rio no Teatro foi conferir o espetáculo teatral "Deixa Clarear" e o que pudemos constatar é que se trata de um excelente musical na qual a imortal Clara Nunes é ...
Utopia, até onde é bom?
Imaginem um país onde existam poucas leis, e que essas leis sejam simples, básicas e de fácil compreensão. Imaginou? Então, a peça Utopia D - 500 anos d...
A Celebração do Homem
A celebração do homem   Tem toda a razão aquele que diz que “A descoberta das Américas” é um dos melhores espetáculos ...
PUBLICIDADE
RNT - ANUNCIE AQUI
TRANSAMÉRICA 101,3
Pescadores de Almas: Arte da Alma
Pescadores de Almas é inspirado na biografia da médium Walkiria Kaminski. O monólogo relata o contato mediúnico e a experiência do suic&iacut...
YANK | Hugo Bonemer interpreta um correspondente de guerra em musical que trata da homoafetividade na 2ª Guerra Mundial.
Depois de interpretar o personagem Augusto, na primeira fase da novela “A Lei do Amor”, da Rede Globo, Hugo Bonemer está nos preparativos finais para viver o personagem Stu, u...
Clássico Romeu e Julieta de volta à programação teatral carioca em ótima montagem
“um nome para romeu e julieta” é a versão adaptada e dirigida por Dani Lossant para o original de William Shakespeare. A montagem, que tem Andrêas Gatto, Daniel C...
Não Vamos Pagar - Comédia imperdível!
Comédia imperdível! “Não vamos pagar” é uma deliciosa comédia que está em cartaz no Teatro do Sesi, no centro do Rio, até 14 ...
PUBLICIDADE
O detalhe que constrói o sucesso
Se o teatro pudesse ser comparado a uma casa, o lugar onde Guilherme Leme e Jô Bilac moram seriam aquelas casas cheias de bibelôs e toalhas de crochet, pratos pendurados na parede, p...
Excelente: Paulo Mathias Jr. é O Cara
Paulo Mathias Jr. está ao lado de Dani Barros no pódio das melhores interpretações do ano em monólogo, ela em um drama-documentário e ele em u...
PUBLICIDADE
RNT - ANUNCIE AQUI
TRANSAMÉRICA 101,3
NEWSLETTER e Notificações
Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão conteúdo exclusivo do teatro carioca, descontos e promoções
Nome
E-mail
 
PUBLICIDADE
GOOGLE+
FACEBOOK
PUBLICIDADE