LiveZilla Live Chat Software

CRÍTICA | A Descoberta das Américas

A Celebração do Homem

 

A celebração do homem
 
Tem toda a razão aquele que diz que “A descoberta das Américas” é um dos melhores espetáculos cariocas dos últimos tempos. Tendo já oito anos desde a sua estreia, a peça rodou o Brasil e cumpriu temporada no Teatro Serrador, encerrando a formidável ocupação do grupo Alfândega88 naquele espaço. A partir de texto de Dario Fo, Alessandra Vanucci assina a direção, havendo apenas Julio Adrião em cena. Não há cenário, não há trilha sonora, tudo circunda o ritual simples de um homem contando uma história. As pausas, os ritmos diversos, a prosódia são as estruturas que embasam essa narrativa. Os movimentos de corpo, as expressões faciais, os movimentos que ocupam o palco nu são as ondas pelas quais navega o público na fruição. “A descoberta das Américas” é a celebração do homem e do seu encontro com outro homem em forma e em conteúdo. Excelente. 
 
Fugindo da Inquisição em Sevilha, um homem, Johan Padan, acaba integrando a embarcação de Cristóvão Colombo rumo à América. Se, na Europa, ele era um Ninguém, entre os índios, consegue fazer-se grande. Descobre-se no contato com os povos “selvagens”, aprende que o que sabia era válido e torna o pouco que tinha de si próprio em muito para compartilhar. Salvando a própria pele de enrascadas, continua lutando pela própria sobrevivência como já o fazia na sua terra natal. O diferencial do novo lugar é que lá a relação entre passado e presente é muito mais estreita, porque há pouco significado em suas distâncias. Cheio de defeitos, Padan valoriza-se enquanto justamente um ser humano: o prazer carnal e espiritual andam juntos sem culpas. Já velho, cheio de filhos e netos, ele narra como se descobriu na América. 
 
Prêmio Shell de Melhor Ator em 2005, Julio Adrião empresta o seu carisma à construção do personagem. Por sua vez, o personagem é, ao mesmo tempo, homem e tempo, multidão e paisagem, falante e ouvinte, poesia e ação. Ao longo de 90 minutos, o ator, bem dirigido por Vannucci, consegue a façanha de entreter e fazer pensar sem deixar cair o ritmo, desafio esse que se torna grandioso quando se trata de um monólogo. O mérito é ainda maior pelo esforço em esconder todos os elementos atrás da performance (atuação). 
 
Para gostar de teatro, é preciso gostar de homens. Diferente de qualquer outra arte, no teatro, não há arte sem o artista junto dela e também sem o público junto de ambos. Porque sozinhos, e cada vez mais de mãos dadas, esses três encontram em “A descoberta das Américas” lugar ideal para celebrar a própria e tripla existência. Viva!! Bravo!! 
 

Por Rodrigo Monteiro 

Peça A Descoberta das Américas - Crítica feita em setembro de 2013

 

* Independente das críticas profissionais, sugerimos que assista aos espetáculos e faça suas próprias críticas.
* Acesse a página do espetáculo e veja também a opinião do público geral nos comentários.

 

Pescadores de Almas: Arte da Alma
Pescadores de Almas é inspirado na biografia da médium Walkiria Kaminski. O monólogo relata o contato mediúnico e a experiência do suic&iacut...
YANK | Hugo Bonemer interpreta um correspondente de guerra em musical que trata da homoafetividade na 2ª Guerra Mundial.
Depois de interpretar o personagem Augusto, na primeira fase da novela “A Lei do Amor”, da Rede Globo, Hugo Bonemer está nos preparativos finais para viver o personagem Stu, u...
Clássico Romeu e Julieta de volta à programação teatral carioca em ótima montagem
“um nome para romeu e julieta” é a versão adaptada e dirigida por Dani Lossant para o original de William Shakespeare. A montagem, que tem Andrêas Gatto, Daniel C...
Para ver muitas vezes e aplaudir sempre!
“Estamira – Beira do Mundo”, que foi a sensação do teatro carioca entre 2011 e 2012, está de novo em cartaz para a beleza da programação da c...
PUBLICIDADE
A Cigarra e a Formiga
TRANSAMÉRICA 101,3
Não Vamos Pagar - Comédia imperdível!
Comédia imperdível! “Não vamos pagar” é uma deliciosa comédia que está em cartaz no Teatro do Sesi, no centro do Rio, até 14 ...
O detalhe que constrói o sucesso
Se o teatro pudesse ser comparado a uma casa, o lugar onde Guilherme Leme e Jô Bilac moram seriam aquelas casas cheias de bibelôs e toalhas de crochet, pratos pendurados na parede, p...
Excelente: Paulo Mathias Jr. é O Cara
Paulo Mathias Jr. está ao lado de Dani Barros no pódio das melhores interpretações do ano em monólogo, ela em um drama-documentário e ele em u...
Resenha de Coisas do Brechó por Giulia Ladislau
Uma viagem às décadas de 60 e 70 com música, dança e humor. Assim é “Coisas do Brechó”, idealizado e estrelado por Fátima Bernardes L...
PUBLICIDADE
Resenha Queimando o Filme por Giulia Ladislau
Nunca tinha ouvido falar do Fabio Rabin, mas se é stand-up a gente quer ir pra rir. Dito e feito! Se você não conhece o tipo de espetáculo, é bem simples: um hu...
Brimas - Ótimo início de temporada teatral carioca
“Brimas” dá a 2016 um ótimo início de temporada teatral carioca   “Brimas” celebra a amizade que atravessa as diferenças e ajuda ...
PUBLICIDADE
A Cigarra e a Formiga
TRANSAMÉRICA 101,3
NEWSLETTER e Notificações
Cadastre seu e-mail e receba em primeira mão conteúdo exclusivo do teatro carioca, descontos e promoções
Nome
E-mail
 
PUBLICIDADE
GOOGLE+
FACEBOOK
PUBLICIDADE